Por Pedro Schiavon

“O” Catarina não é santo, mas já tem muita gente na Pompeia considerando-o um local sagrado, onde se deve passar sempre que possível, como uma forma de agradecer a Deus pelas coisas boas da vida.

Este é um daqueles lugarzinhos que a gente descobre e não conta pra ninguém, exceto para uns poucos amigos e para os 10 ou 20 leitores deste site. Trata-se de um minúsculo boteco instalado em uma portinha entre a Pompeia e Perdizes especializado (e bota especializado nisso) em ostras e outros frutos do mar.

O Catarina é o apelido do catarinense Renato Andrade, manezinho nascido e criado na praia de Jurerê, membro da terceira geração de uma família de pescadores e que pela graça de sua esposa Andréa Santos, editora paulistana, resolveu trocar os mares floripanos pelos agitados ares de São Paulo.

Aproveitando seu conhecimento em pesca, armazenamento e no preparo dos frutos do mar, montou, em maio de 2010, seu boteco, com uma pequena cozinha e quatro ou cinco mesas, onde passou a se desdobrar entre o fogão e o atendimento aos clientes.

Mas aí o boteco quase secreto logo foi descoberto por alguém, que já contou para alguns outros alguéns, que correm para lá sempre que podem e ocupam as poucas mesas disponíveis.

Com isso, Renato “importou” de Floripa mais dois cozinheiros, trouxe a sobrinha Amanda de Ibirama para ajudar no atendimento e espalhou mais algumas mesinhas, que agora chegam a ser quase dez. O segredo? Simplicidade, simpatia, uma cozinha caprichada e as ostras mais frescas da cidade.

Quando se mudou para Sampa, Renato deixou nas mãos de seu irmão sua criação de ostras e mariscos. Este se encarrega hoje de empacotá-los corretamente e despachá-los por avião todas as terças e sextas, de modo que um motoboy pegue as caixas no aeroporto e as entregue no bar no final da mesma tarde, onde uma turma faminta aguarda com ansiedade.

E não espera em vão. As ostras são grandes, carnudas e tenras, frescas a ponto de parecerem ter sido tiradas do mar naquele instante. Elas são servidas in natura, acompanhadas do tradicional limãozinho e mais nada. E não costumam sobrar para os dias seguintes.

Há também camarões preparados de diversas maneiras, todos de tamanho médio e frescos, bem frescos. Mariscos são servidos na casca, com ótimos temperos e, claro, muito frescos. E há sardinhas empanadas, lulas à doré, casquinhas de siri e muito mais. Para acompanhar, cerveja gelada, caipirinhas e o clima de tranquilidade e amizade que a região oferece.

Até uns tempos atrás o bar servia alguns pratos, que sumiram do cardápio. Mas o motivo é bom: Renato abriu, a poucos metros do bar, O Catarina Restaurante, onde além dos que haviam, vários novos pratos foram criados. Também muito simpático e com ares marinhos, o restaurante criou novas opções e deixou o bar reservado aos que querem apenas petiscar.

E como essa é a minha praia e parece ser também a de muita gente curiosa que rapidamente vai descobrindo o lugar e se tornando assíduo frequentador, o melhor que tenho a fazer é ir logo para lá, antes que as mesas lotem e as ostras acabem.

 

Pedro Schiavon é editor do Lugarzinho

Endereço & Contato

Endereço:

R. Ministro Ferreira Alves, 131

GPS:

-23.531962, -46.681899

Telefone:
E-mail:

-

Web:

-

Planejar minha Rota