São Paulo adora comer. E adora arte. E adora cultura, beleza e a sua própria história, que costuma envolver tudo isso. E adora provocar todos os outros lugares, ostentando uma riqueza cultural, um charme e uma elegância que lhe parecem tão naturais que é como se a cidade fosse sempre assim: bela, tranquila e sofisticada.

Pois o “Municipal” é, foi e sempre será assim. O teatro projetado por Ramos de Azevedo nos moldes da Ópera de Paris sempre foi palco das melhores óperas, ballets e concertos do país, casa de grandes orquestras e companhias de dança e sede de eventos históricos, como a Semana de Arte Moderna, que está completando 90 anos.

Com seu centenário completado em 2011, o teatro ganhou ampla restauração, com reforma de instalações e uma nova iluminação. E mais: recuperou a cozinha, que estava fechada havia mais de meio século. A ampla área de 164 metros quadrados ganhou um restaurante adequado, com o perfil de seus elegantes frequentadores e um ambiente que convida a celebrar os tempos áureos da “terra do café”.

E o Santinho, responsável também pelos cafés do Instituto Tomie Ohtake e do Museu da Casa brasileira, é quem preenche esse vazio.

Com afrescos e vitrais originais, o ambiente tem grandes superfícies espelhadas nas mesas, nos balcões e nas paredes, que refletem as cores e a luz do espaço, além de mesas assimétricas e grandes luminárias. Tudo projetado pelos designers Fernando e Humberto Campana, que buscaram harmonizar o moderno das peças com o estilo clássico da construção. E conseguiram.

Composto por dois salões que somam 68 lugares e com entrada independente pela lateral do Teatro, o lugar é muito mais forte nas refeições do que no café, e funciona só até o meio da tarde.

O almoço funciona em forma de Buffet, com valor fixo por pessoa. A ótima mesa de saladas reúne folhas crocantes, flores comestíveis, grãos e frutas, mesclados em receitas como a salada de trigo sarraceno com banana frita. O bufê de pratos quentes exibe carnes, massas, aves, peixes, legumes e criações tentadoras como nhoque de mandioquinha com tomate e pesto de hortelã, carpaccio de abóbora com crisps de couve, tomates recheados com creme de bacalhau, risoto de funghi, massa recheada com queijo mussarela e molho de shitake ou um gostoso hambúrguer caseiro de fraldinha, grelhado na hora.

Mas o café da manhã, que rola das 9h às 11h30, também é bastante saboroso e funciona com um esquema à la carte, com um cardápio que inclui poucas mas gostosas opções, como ovos mexidos, mini-bolos ou uma cesta de pães quentinhos com geléia e manteiga, além de sucos e, claro, café.

O Santinho é, portanto, muito mais do que um ótimo passeio ou uma gostosa refeição, uma maravilhosa viagem no tempo e na cultura da cidade.

É uma pena que (pelo menos por enquanto) não funcione à noite, pois mataria com grande competência a saudade dos tempos em que os espetáculos do Municipal eram invariavelmente sucedidos de um cafezinho no Mappin.

Endereço & Contato

Endereço:

Praça Ramos de Azevedo s/nº

GPS:

-23.545234, -46.638615

Telefone:
E-mail:

-

Web:

-

Planejar minha Rota